Defesa Cibernética do Brasil é falha e requer coordenação única

Autor: Ana Paula Lobo e Pedro Costa

Especialistas do setor de Segurança da Informação se mostram reticentes à criação de uma Agência Nacional de Segurança Cibernética, proposta defendida pelo general José Carlos Santos, chefe do Centro de Defesa Cibernética do Brasil. Mas admitem que é preciso uma ação unificada, já que, hoje, há projetos distribuídos e não conectados.

“Do ponto de vista de segurança, muito pouco é olhado, principalmente nos ativos elétricos e de telecom. Há falhas primárias”, adverte Leonardo de Melo Leite, da Fundação para Inovações Tecnológicas (FITEC). Ele não se sente confortável em apoiar uma Agência Nacional de Segurança Cibernética. “Isso precisa ser maturado”, afirmou, ao participar de um debate sobre Internet e Soberania Nacional, durante o Cyber Security, evento realizado pela Network Eventos, nesta ultima semana.

Antonio Moreiras, gerente de desenvolvimento do NIC.br, concorda que há ações diferenciadas dentro do governo e que deveriam ter uma coordenação, mas também se mostra pouco confortável em opinar sobre ter ou não uma Agência Nacional de Segurança Cibernética. ” Nós que somos da área damos muito pouca atenção à segurança. Quando um desenvolvedor está projetando um sistema, ele pensa em como ele vai ser usado, mas também para os casos de abuso. Como vão tentar invadir esse sistema. E isso não é ensinado na faculdade. E também não se reflete na homologação dos equipamentos”, pondera.

O especialista em segurança do Serpro, Oscar Marques, lembra que o próprio site de campanha do presidente dos EUA, Barack Obama, foi recém-hackeado. “O trabalho para combater as ações criminosas começam dentro de casa. Não acredito que uma agência possa, sozinha, resolver todos os problemas. O profissional precisa assumir a sua parte. O brasileiro com a mania de cachorro vira-lata precisa apostar mais na tecnologia nacional e usar mais a nossa criatividade”.

Paulo Pagliusi, presidente da Cloud Security Alliance do Brasil e diretor da Procela, empresa especializada em Segurança da Informação, afirma não saber se será uma Agência o ponto de coordenação, mas reitera que é necessário ter uma ação unificada. “Esse sacode que o Brasil tomou tem que servir de lição para fazer algo. A informação é uma arma. Precisamos levar o debate para os jovens. Técnicas de segurança estão aí. E há empresas nacionais capacitadas. Precisamos ensinar criptografia”, diz.

Por sua vez, o diretor executivo do Instituto Coaliza, Lincoln Werneck, lembra que se caso um dia venha existir uma agência para Segurança da Informação, que ela não seja regulatória. “Ela deve ser técnica e comandada por técnicos. Políticas Públicas no Brasil são raras. O certo é: não é possível realizar ações de segurança efetivas sem apoio do Estado. Elas são muito caras e precisam de recursos efetivos”. A CDTV, do portal Convergência Digital,o posicionamento dos especialistas sobre a necessidade de uma agência reguladora para Segurança Cibernética. Assistam.

Leia Também:

França suspeita que agência dos EUA está por trás de ciberataque em 2012

Mapa mostra ataques cibernéticos no mundo em tempo real

PRNewswire tem dados de clientes roubados por cibercriminosos

Fonte: Convergência Digital

Anúncios

2 pensamentos sobre “Defesa Cibernética do Brasil é falha e requer coordenação única

  1. Pingback: Cibercriminosos usam arquivos do Office para instalar malware em PCs | Security Information News

  2. Pingback: Suspeita de sabotagem fez Brasil investigar franceses em Alcântara | Security Information News

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s